Notícias

OPERAÇÃO DOCE AMARGO

Material apreendido em operação subsidiará investigações do tráfico de drogas sintéticas

25/03/2022 - 15:06
Sete traficantes associados para o comércio de drogas como, ecstasy, LSD e MDMA, foram presos na operação

Assessoria/Polícia Civil-MT

Sete traficantes identificados como integrantes de uma associação criminosa envolvida no comércio de drogas sintéticas na Capital tiveram mandados de prisão temporárias cumpridos pela Polícia Civil, na quinta-feira (25.03), na operação “Doce Amargo”, deflagrada pela Delegacia Especializada de Repressão a Entorpecentes (DRE).

No total, foram cumpridas 16 ordens judiciais contra os investigados, sendo sete mandados de prisão temporária e nove de busca e apreensão domiciliar, sendo um deles em uma academia no bairro Parque Cuiabá, de propriedade de um dos alvos. A Polícia Civil também lavrou quatro autos de prisão em flagrante.

Segundo as investigações da DRE, os alvos da operação atuavam na venda de drogas, como ecstasy, MDMA, LSD, conhecidos popularmente como “bala”, “roda” e “doce”, além de outras substâncias como “loló”, lança-perfume ou clorofórmio. 

Durante o cumprimento dos mandados, foram apreendidos diversas porções de drogas sintéticas, sendo 27 comprimidos de ecstasy, 294 selos de LSD, MDMA, 160 ml de dicloretometano, além de porções de anfetaminas, maconha e cocaína.

As buscas resultaram na apreensão também de anotações relacionadas ao comércio das drogas, aparelhos celulares, computadores e mídias em geral que serão analisados preliminarmente pelos investigadores e depois encaminhados para a Politec para extração de dados, que irão compor o acervo técnico da investigação.

As sete prisões temporárias cumpridas na operação foram mantidas pelo Poder Judiciário. Os trabalhos da DRE contam com apoio de outras Polícias Civis do Brasil, em especial de estados da região Sul do país, uma vez que grande parte de drogas sintéticas vem dessa região, estendendo assim a investigação para fora do estado de Mato Grosso.

Segundo a delegada titular da DRE, Juliana Chiquito Palhares, com a deflagração da operação será dada continuidade ao inquérito policial que apura os crimes de tráfico de drogas e associação para o tráfico, com a análise de todo o material apreendido e novas diligências no prazo de 30 dias, que é o período de prisão temporária dos envolvidos.

“Novas investigações podem surgir com a análise do material apreendido e com a extensão do conhecimento sobre a ramificação do tráfico de drogas sintéticas na Capital. Ainda estamos trabalhando para esclarecer questionamentos apontados no início das investigações, como por exemplo como a droga chega à Capital, qual o principal canal e fornecedor para o estado”, explicou a delegada.

 

 

A PJC também está no Facebook, Flickr e Instagram. Siga-nos!

Assessoria de Comunicação Social
www.pjc.mt.gov.br
asscom@pjc.mt.gov.br
(65) 3613-5673

Compartilhe essa notícia