Notícias

HORAS DE DIÁLOGO

Após negociação, policial civil resgata vítima de cárcere e impede suicídio em Santa Terezinha

11/09/2020 - 11:27

Assessoria | Polícia Civil-MT

Um policial civil lotado na Delegacia de Polícia do município de Santa Terezinha (1.312 km a nordeste de Cuiabá) praticou um ato de bravura libertando a vítima e salvando a vida do suspeito que estava prestes a cometer suicídio. O fato ocorreu na noite de quarta-feira (09.09), em uma residência no centro da cidade, durante atendimento de uma ocorrência de ameaça e cárcere privado.

Por volta das 19 horas, do dia 9 de setembro, a Delegacia de Santa Terezinha foi acionada sobre um homem de 33 anos que estava mantendo uma mulher de 45 anos refém. O suspeito estaria com um facão a todo momento no pescoço da vítima. De imediato os policiais civis foram até o local, onde encontraram o suspeito falando a todo momento que se a polícia chegasse ele mataria a vítima. 

Diante dos fatos o investigador de polícia Douglas da Silva Sales, foi acionado pela equipe e ao chegar no endereço o policial tomou conhecimento da situação e passou a manter contato com o suspeito, no intuito de negociar a liberação da refém. O rapaz a todo momento pedia uma arma em troca da liberdade da vítima, e o caso se perdurou por cerca de quatro horas e meia. 

Durante todo tempo permaneceram no local prestando apoio policiais militares e alguns vizinhos por exigência do suspeito. Após muita conversa, às 23h30 o policial civil viu uma oportunidade de imobilizar o suspeito e as equipes adentraram na casa.

Douglas quando chegou ao local pediu para a pessoa que já estava em contato com o suspeito, para que criasse uma história de um policial amigo e que ia pedir para conversar com ele e orientá-lo. Neste momento, o suspeito aceitou o diálogo e o investigador entrou na negociação. Durante todo o tempo de conversa, o suspeito se mantinha dentro de uma casa de tábua com um facão no pescoço da vítima e com as luzes apagadas, dificultando a sua visualização.

Durante a conversa com o policial, o suspeito chegou a entregar duas facas de mesa e um facão, porém permaneceu com outro facão direcionado ao pescoço da vítima. Em determinado momento, ele pegou a arma e direcionou para a própria barriga dizendo que ia se matar, mas foi convencido pela vítima a não seguir em frente.

Durante a negociação, o suspeito disse que estava gostando de conversar com o policial, momento em que foi pedido para que ele que abrisse a porta para uma conversa olho no olho, tendo em vista que as equipes não conseguiam vê-lo. “Ele abriu a porta e continuamos a conversa. A vítima, estava abalada com pressão e diabete alta. Solicitei a ele para fazermos uma troca, eu por ela, mas ele não aceitou", relatou Douglas.

Com ajuda dos colegas, o investigador continuou a negociar e por várias vezes teve oportunidade para efetuar um disparo contra o suspeito, porém, optou por continuar com a negociação. “Percebi que ele estava perturbado e como tratava-se de uma pessoa sem nenhuma passagem criminal, continuei verbalizando com ele, pois a intenção dele não era ferir a vítima, mas sim tirar sua própria vida com a qual estava muito decepcionado”, continuou o investigador

O suspeito chegou a pedir a arma do policial com apenas uma munição para ele se suicidar. 

Por estar de frente com os dois, o policial deu um sinal para a vítima desmaiar e ela, já debilitada, entendeu o aviso, e fingiu o desmaio. O suspeito se preocupou abaixando a guarda e tirando o facão do pescoço da mulher, momento em que o policial realizou a abordagem segurando a mão que estava com o facão e em seguida recebeu o auxilio de colegas que o ajudaram na imobilização.

A vítima de 45 anos e o suspeito de 33 foram socorridos para atendimento médico. O boletim de ocorrência foi registrado e a Polícia Civil irá apurar o caso. 

A PJC também está no Facebook, Flickr e Instagram. Siga-nos!

Assessoria de Comunicação Social
www.pjc.mt.gov.br
asscom@pjc.mt.gov.br
(65) 3613-5673

Compartilhe essa notícia